CICLISMO

Daniel Moreira (Tensai) e Diogo Miranda (ACR Roriz) em grande no Troféu José Martins

Daniel Moreira, da Tensai/Sambiental/Santa Marta, e Diogo Miranda, da Landeiro/KTM/Matias&Araújo/Frulact, estiveram em grande destaque no Prémio Freguesia de Golães/Troféu José Martins, primeira prova da Taça de Portugal de Cadetes (Apuramento Zona A) e pontuável para o Campeonato do Minho de Ciclismo de Estrada – Arrecadações da Quintã.

Os dois ciclistas minhotos integraram a fuga, que se iniciou por volta do 20.º quilómetro, e estiveram na discussão da corrida até aos metros finais.

Daniel Moreira aguentou melhor a última subida para a meta e alcançou a segunda posição, a escassos segundos do vencedor, José Moreira (Silva&Vinha/ADRAP/Sentir Penafiel).

 

DANIEL MOREIRA: “BALANÇO POSITIVO”

 

No final da corrida Daniel Moreira fez um balanço positivo da primeira corrida do ano no Minho: “faço um balanço positivo da prova, depois da desilusão da prova anterior, consegui-me destacar nesta corrida, o que me deixa mais confiante”.

Apesar de fazer um balanço positivo da corrida, Daniel Moreira confessa que queria mais: “sim, estava à espera de fazer mais” e explicou “já conhecia esta prova e no ano passado caí, infelizmente, nos últimos dois quilómetros, mas ainda consegui o 15.º lugar, ou seja, já conhecia os pontos fortes para atacar. Tomei a iniciativa de atacar ao km 20 e juntei mais seis atletas, já que não consegui atacar a solo. Depois ia tentar destacar-me na última subida para a meta, que é longa e que seria complicado aguentar sempre ao mesmo ritmo. Deixei ir o atleta da ADRAP na frente e quando reparei era tarde demais para responder ao ataque dele”.

 

DIOGO MIRANDA (ACR RORIZ): “FOI UM BOM RESULTADO”

 

Diogo Miranda, da Landeiro/KTM/Matias&Araújo/Frulact, cortou a meta na terceira posição, e foi o segundo melhor ciclista minhoto em prova.

No final, o ciclista do clube de Barcelos considerou que “fiz um bom resultado”, e adiantrou “claro que podia ter sido melhor, mas para começar a época estamos no caminho certo”.

O que podias ter feito melhor? “Nos primeiros 10 quilómetros não devia ter tentado tantas vezes criar fugas, devia-me ter resguardado mais para a parte final da corrida”, referiu Diogo Miranda.

Sobre a corrida em si, o ciclista barcelense afirmou que “correu bem. Foi uma corrida com alguma dureza, mas consegue-se fazer bem e posso dizer que adorei a corrida”.

Diogo Miranda sai de Fafe “bastante motivado e com o pensamento de querer mais” e garante que “vou lutar em cada corrida para chegar ao lugar mais alto do pódio”.

 

GONÇALO RODRIGUES, JOSÉ SALGUEIRO E SAMUEL GUERRA NO TOP10

 

 

A prova de Golães, que homenageia o ex-ciclista fafense José Martins, decorreu num clima de animação e entusiasmo por parte dos cerca de 70 ciclistas que tudo fizeram para entrar da melhor forma no apuramento para a Taça de Portugal e incentivos não faltaram, já que foram muitos adeptos que ao longo do percurso fizeram questão de apoiar os jovens atletas.

A Landeiro/KTM/Matias&Araújo/Frulact, que se apresentou com a maior comitiva entre os clubes do Minho, foi das equipas mais mexidas no pelotão e para além de Diogo Miranda, que subiu ao pódio, viu Gonçalo Rodrigues terminar na quinta posição, a 34s do vencedor.

No top10 ficaram ainda José Salgueiro e o celoricense Samuel Guerra.  Tomás Oliveira, da Tensai, foi 10.º classificado.

Uma palavra ainda para Luís Silva, Paulo Fernandes e Rodrigo Rodrigues (AC Roriz) que terminaram no Top20.

O melhor ciclista do CC Barcelos/A.F.F./Flynx/H.M. Motor foi Paulo Bogo, que cortou a meta na 34.ª posição.

Por equipas a Landeiro/KTM/Matias&Araújo/Frulact foi a grande vencedora, deixando a segunda classificada, a ADRAP, a 1.43m. A Academia EFAPEL de Ciclismo fez terceiro lugar.

Fotos: Marcelo Lopes

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS