CICLISMO

César Fonte na Clássica de Viana: “vai ser uma corrida com um simbolismo especial para mim”

César Fonte (Kelly/Simoldes/UDO) é um dos protagonistas da Clássica de Viana, corrida que se realiza sábado e se estreia no calendário nacional de Ciclismo.

Pela frente os ciclistas terão uma prova de 170,4 quilómetros e um traçado que inclui várias passagens em troços de terra batida (sterrato) e de empedrado (pavé).

A Clássica de Viana pretende ser uma homenagem aos ciclistas profissionais (atuais e ex-ciclistas) de Viana do Castelo e, por isso, irá passar pelas várias freguesias de onde são naturais os atletas.

A corrida de sábado arranca de Vila Franca do Lima, de onde é natural César Fonte, que encara a Clássica de Viana “com otimismo, mas ao mesmo tempo com um certo nervosismo” e garante que “vai ser uma corrida com um simbolismo especial para mim, claro…”.

“VAI SER ESPECIAL”

“Partir da minha terra, Vila Franca, e concluir em Viana do Castelo é, sem dúvida, diferente, é estar a competir em casa, digamos que é quase como se fosse uma competição familiar. Vai ser, sem dúvida, especial e marcante”.

Em termos competitivos “venho de fazer sétimo do Campeonato Nacional e oitavo no GP Douro, o que demonstra que a minha condição física tem vindo a melhorar com o decorrer da época. Sinto-me bem e, por isso, espero estar na discussão da corrida, mas sem estar obcecado por isso”.

“É uma Clássica diferente do que estamos habituados a lidar no nosso país, é uma inovação que a organização quis implementar com troços em terra batida e paralelo, o que, com o passar dos quilómetros, vai tornar a Clássica bastante dura”.

“SERIA MARCANTE GANHAR NA MINHA CIDADE”

Seria bom, importante ganhar em Viana do Castelo? “Muito. Seria marcante ganhar na minha cidade e, por outro lado, seria bastante importante nesta fase da época alcançar uma vitória. É sempre um estímulo extra de motivação que traz as vitorias”, disse César Fonte.

O ciclista vianense vem de algumas semanas intensas de provas, tendo parado apenas na Volta ao Alentejo, mas assegura que se sente preparado… “Sinto-me bastante bem fisicamente, apesar das muitas complicações seguidas consegui melhorar sempre de prova para prova e consegui nunca entrar numa fadiga física. Este fim de semana vou correr no sábado e depois começar a preparar a Volta a Portugal”.

“É IMPOSSÍVEL NÃO SENTIR UM CERTO NERVOSISMO”

Sendo de Viana do Castelo, César Fonte conhece bem o percurso da prova, mas salienta que “não fui treinar para o local da prova, mas tive a oportunidade de fazer o percurso do circuito em Viana do Castelo quando o Ricardo Costa (organizador do&go) reuniu um ciclista de cada equipa nacional para fazer um vídeo de promoção da corrida. Conheço bem todo percurso, é uma corrida bonita, mas muito dura”.

Questionado sobre se o facto da corrida ser na sua terra o deixa mais nervoso, César Fonte referiu que “um pouco… já são muitos anos de profissional e, normalmente, até não me costumo sentir nervosos ou ansioso, mas por ser uma corrida com partida da minha terra é impossível não sentir um certo nervosismo. Mas penso que é normal”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS