BASQUETEBOL

GDAS bate FamaBasket

O Grupo Desportivo André Soares recebeu e bateu, esta manhã, o FamaBasket, por 67-52, em jogo em atraso da sexta jornada do Campeonato Nacional da II Divisão masculina de Basquetebol.

O jogo começou animado, com as duas equipas à procura do melhor resultado possível, que passava, obviamente, pela vitória antes da paragem para as festividades do Natal.

Ricardo abriu as hostilidades ao fazer os primeiros pontos e deu o mote para um período bastante disputado. O GDAS levou a melhor e venceu por 21-17.

O segundo período decorreu de forma idêntica, com as duas equipas a cometerem alguns erros, essencialmente, defensivos e a falharam alguns lances que poderia dar outra visibilidade ao marcador. Venceu o GDAS por 17-13.

A equipa treinada por Alexandre Oliveira chegava ao intervalo a ganhar por 38-30. Uma vantagem que o obrigava a encarar a segunda parte com algumas cautelas para não ser surpreendido em casa.

No reatamento, o GDAS entrou mais forte, mais focado e conseguiu mesmo adiantar-se no marcador e venceu por 20-10.

O quarto e último período foi, em termos pontuais, mais fraco e o FamaBasket conseguiu aproveitar alguns lances para reduzir a desvantagem. Acabou por ganhar por 9-12.

Com este resultado, o GDAS subiu ao terceiro lugar da classificação, somando oito pontos em cinco jogos. Já o FamaBasket manteve a quinta posição com oito pontos em seis jogos.

 

MIGUEL PEIXOTO E ANDRÉ ANTUNES ESTREIAM-SE NOS SENIORES

 

O jogo desta manhã ficou ainda marcado pela estreia nos Seniores de Miguel Peixoto (Mike), jogador que este ano foi chamado para integrar o Centro Nacional de Treinos, e tem 15 anos, e André Antunes, que completou 16 anos em novembro.

 

ALEXANDRE OLIVEIRA: “CONTROLAMOS SEMPRE O JOGO, MAS…”

 

Alexandre Oliveira, treinador do GDAS, ficou satisfeito com o resultado, mas considerou que a equipa acusou a falta de ritmo…

“Acusamos alguma falta de ritmo pois já não jogávamos há três semanas”, começou por referir o treinador do GDAS, que adiantou: “controlamos sempre o jogo, mas houve momentos em que não tivemos o foco correto nas tarefas defensivas e no ataque não aproveitamos os momentos certos para tirar a outra equipa do jogo. Tivemos altos e baixos inerentes a um grupo muito jovem com alguns mais velhos a ajudarem”.

O GDAS viu-se privado, muito cedo, do contributo de João Viana, que foi excluído do jogo. Alexandre Oliveira salientou que “ficamos com menos uma solução, mas reagimos bem”.

Sobre as duas estreias na equipa Sénior, o treinador do GDAS considerou que “foram duas boas estreias. Um acusou menos que outro, mas ambos corresponderam às expetativas. O que esteve mais à vontade acabou por aproveitar jogando mais tempo. Ajudaram bastante ao equilíbrio do grupo”.

Alexandre Oliveira referiu que “a chamada destes jovens serve de exemplo para todos os atletas, para perceberem que podem ser chamados à equipa Sénior, desde que trabalhem, mas esta é uma situação que a nível dos treinos temos fomentado com frequência”.

 

ANTÓNIO SANTOS: “FALTOU-NOS COLETIVO”

 

António Santos, treinador do FamaBasket, começou por referir que “faltou-nos o coletivo, a equipa funcionar num todo…quando conseguimos isso tivemos sucesso. Mas a maior parte do tempo foram as individualidades que iam resolvendo, mas o Basquetebol é um desporto coletivo e precisamos de jogar como um todo”.

O treinador do FamaBasket lembrou que “nós temos uma série de objetivos traçados e hoje não conseguimos atingir nenhum. Fomos ineficazes na finalização, no jogo coletivo. A espaços fizemos boas prestações defensivamente, mas mesmo assim tivemos uma eficácia de 59 por cento, quando o objetivo é mantermo-nos nos 75 por cento para podermos ter sucesso”.

António Santos referiu ainda que “o GDAS tem muito valor. Teve no Ricardo o melhor marcador e depois teve um miúdo muito bom…foi o nosso maior inimigo e quando ele ia pelo lado direito era um perigo. O Miguel Peixoto, com 15 anos, fez um grande jogo. Gostei muito dele e é um jogador a ter em atenção. O Oliveira também esteve muito bem… estes três jogadores fizeram a diferença”.

Apesar de considerar que a sua equipa ficou aquém do que seria pretendido, António Santos referiu que “a equipa tem evoluído e já controla melhor as emoções. É verdade que neste jogo não tivemos a equipa completa e alguns dos faltaram são elementos preponderantes. Agora é continuar a trabalhar para melhorar”.

Fotos: Sérgio Sá

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS