CICLISMO

Tomás Mota (ACR Roriz) Campeão do Minho de Ciclocrosse

Tomás Mota, da Landeiro/KTM/Matias&Araújo/Frulact, sagrou-se, este domingo, Campeão do Minho de Ciclocrosse na categoria de Juniores.

O ciclista da equipa de Roriz, Barcelos, cortou a meta na terceira posição do Ciclocrosse de Melgaço, prova pontuável para a Taça de Portugal e decisiva para a atribuição dos títulos do Campeonato do Minho de Ciclocrosse – Discover Melgaço.

Tomás Mota consegue assim o seu primeiro título de Campeão do Minho de Ciclocrosse e assegurou o segundo lugar no ranking da Taça de Portugal, quando estão decorridas duas das quatro provas que compõe a Taça.

De salientar ainda o top15 conquistado por Diogo Carreiras, Bruno Lopes e Pedro Pinto, da Landeiro/KTM/Matias&Araújo/Frulact.

TOMÁS MOTA: “SABOR AGRIDOCE…”

No final da corrida o ciclista da zona de Leiria, que já este ano subiu ao pódio em várias provas realizadas em Espanha, mostrou-se satisfeito com o que conseguiu uma vez que teve vários azares ma fase inicial da corrida…

“Já estava à espera de me sagrar Campeão do Minho, mas o terceiro lugar da Taça de Portugal deixa-me um sabor agridoce”, começou por afirmar Tomás Mota, que adiantou que “estava à espera de mais, mas devido ao que aconteceu – arranquei mal, caí na zona das tábuas na primeira volta – fiz o melhor possível e consegui ir ao pódio”.

Depois da fase inicial mais turbulenta, com seguiste encontrar o ritmo? “Depois daquele arranque menos feliz, foi mais difícil concentrar-me, estar com a cabeça centrada na corrida. Penso que podia ter feito mais e melhor…”.

Tomás Mota referiu que “com este resultado as contas da Taça de Portugal começam a ficar complicadas para ganhar o título”, mas “o meu maior foco é o Campeonato Nacional”.

Quanto ao título de Campeão do Minho “é a cereja no topo do bolo nesta prova e para esta fase da época. Estou contente”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS