ATLETISMO

Ana Marinho, a ‘estrela’ que desponta na EARO

Ana Marinho, da Escola de Atletismo Rosa Oliveira, conquistou, no fim de semana, em Felgueiras, o título de Campeã Nacional de Juniores no Campeonato Nacional de Estrada, em Atletismo.

A atleta de Joane, que realizou a marca de 40:09m, superiorizou-se às suas adversárias e deixou a segunda classificada a mais de um minuto de diferença.

“Penso que a prova me correu bastante bem, uma vez que consegui alcançar o lugar mais alto do pódio no meu escalão (Juniores)”, começou por afirmar Ana Marinho sobre o Campeonato Nacional de Estrada.

A atleta de Joane lembra que “parti com o principal foco na qualificação por equipas, uma vez que já é um sonho de alguns anos conquistar um título a nível coletivo. Claro que a nível individual tinha um objetivo comigo mesma, de chegar a uma medalha”.

Quanto te apercebeste que podias ganhar? “Mais o menos por volta dos dois quilómetros vi que seguia em primeiro lugar no meu escalão e com alguma vantagem relativamente à segunda classificada. Então percebi que o primeiro lugar era, algo realmente, possível.  A partir dai o meu objetivo foi controlar a vantagem e tentar cortar a meta em primeiro lugar”.

“RESULTADO IMPORTANTE”

Ana Marinho, que se tem destacado ao longo do ano com a conquista de vários resultados de relevo, considera que a vitória é “sem dúvida, um resultado muito importante!”, mas lembra que teve outros resultados marcantes… “penso que o resultado que mais me marcou foi o meu terceiro lugar no Corta-Mato de Desporto Escolar, lugar que me permitiu a qualificação para o Mundial de Desporto Escolar… seria a minha primeira representação em nome do nosso país. No entanto, essa prova não se realizou devido à pandemia que se instalou, entretanto, mas sem dúvida que continuará a ser algo que irei sempre recordar”.

Este tipo de resultados são fruto de muito trabalho? “Sim, sem dúvida. O trabalho e o descanso são das coisas mais importantes. Claro que também é preciso abdicar de várias coisas, mas confesso que como gosto tanto daquilo que faço não considero que seja abdicar, penso que é mais um caso de priorizar aquilo que nos faz feliz”, disse a atleta de Joane.

“VOU CONTINUAR A TRABALHAR, AINDA COM MAIS FORÇA E DETERMINAÇÃO”

Quanto ao futuro próximo, Ana Marinho, que foi Campeã Nacional de Juniores individual e coletivamente, pois a Escola de Atletismo Rosa Oliveira venceu por equipas – garante que “Vou continuar a trabalhar, ainda com mais força e determinação. Preparar esta nova época que vem cheia de desafios e, sem dúvida, que estas medalhas ajudam a alimentar os meus sonhos e as energias”.

Como foste parar ao Atletismo? “É uma história engraçada na verdade… eu comecei a correr sem gostar deste desporto. Aliás quem me levou a iniciar a prática foi a minha mãe e porque eu quando era pequena era uma rapariga assim mais bem constituída, para não dizer gordinha. Isso e o facto de ver a minha mãe a brincar com outros meninos durante os treinos, isso fez-me ter um bocadinho de ciúmes e querer também essa atenção”, disse a atleta de Joane, que hoje não se vê sem o Atletismo…

“Desde que ganhei um Regional de Desporto Escolar, no quinto ano, o ‘bichinho’ despertou e dai em diante comecei a ter mais empenho neste desporto e agora, sem dúvida que não me imagino sem ele. Aliás o meu grande objetivo é tentar conciliar sempre o atletismo e os estudos”.

UM SONHO CHAMADO JOGOS OLÍMPICOS

Se nos estudos, Ana Marinho aguarda pelas colocações para a Universidade para saber o que vai seguir, no Atletismo, a atleta de 17 anos sabe o que pretende…

“Eu gostava de chegar muito longe, a participação nuns Jogos Olímpicos é um sonho! Ainda que algo longínquo, mas o trabalho é feito a longo prazo. Por isso, trabalho todos os dias para daqui a uns anos, quem sabe, alcançar o jogo de ir aos Jogos Olímpicos. Esse seria o meu patamar de sonho”.

SEGUIR OS PASSOS DA MÃE… “SONHO SER AINDA MELHOR PARA A DEIXAR ORGULHOSA”

Ana Marinho tem uma ligação muito forte ao Atletismo. A sua mãe, Rosa Oliveira, é um dos nomes incontornáveis no Atletismo Nacional, com vários títulos conquistados a nível Nacional, da Europa e do Mundo. Interrogada sobre como é ser filha de uma das grandes atletas nacionais, a jovem de 17 anos afirmou que “é bom, porque transmite-me muito conhecimento e é sempre bom ter alguém perto de nós que perceba como funciona este meio”.

“Confesso que nunca pensei muito sobre isso, porque nunca me associam à minha mãe por ter o apelido do meu pai. Por isso, não sinto qualquer tipo de pressão sobre isso. O que é bom, porque o reconhecimento que um dia possa conquistar será independente do sucesso da minha mãe. Tenho muito orgulho nela e oxalá um dia consiga fazer tudo o que ela fez e confesso que sonho ser ainda melhor, para a deixar orgulhosa a ela e a mim”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS