CICLISMO

Rúben Rodrigues (Bairrada): “ganhar o ‘Nacional’ de Fundo foi ‘ouro sobre azul’”

“Os Campeonatos Nacionais correram de forma excecional… superei todas as minhas expectativas” foi assim que Rúben Rodrigues, ciclista de Guimarães que alinha no Bairrada, começou por abordar os ‘Nacional’ de Juniores, que se realizaram no fim de semana em Sernancelhe, Viseu.

O jovem ciclista vimaranense fez terceiro lugar na prova de Contrarrelógio – ficando a escassos 39s do seu colega de equipa António Morgado – e conquistou o título de Campeão Nacional de Fundo naquele que é o seu primeiro ano de Júnior.

Rúben Rodrigues faz um balanço “extremamente positivo” da sua participação nuns Campeonatos Nacionais em que partia “com o único objetivo de fazer pódio no Contrarrelógio, o que consegui”.

SATISFEITO COM O TERCEIRO LUGAR NO CONTRARRELÓGIO

Fiquei muito contente com o terceiro lugar porque sabia que os meus colegas de equipa eram mais fortes do que eu” disse Rúben Rodrigues, que adiantou: “mas ganhar o ‘Nacional’ de Fundo foi ‘ouro sobre azul’”.

Conquistar a camisola de Campeão não era algo que estavas à espera? “Sabia que era um outsider a vencer a corrida e tentei jogar com esse facto, mas nunca pensei em vencer o Campeonato Nacional”.

Rúben Rodrigues, que inicialmente andou no primeiro grupo intermédio, atacou quando faltavam cerca de 50 quilómetros para a meta… O ciclista vimaranense explica que “quando estava a fazer a ponte para a frente com o Tiago Clemente, o meu treinador perguntou-me se eu me sentia bem e eu disse que sim, então mandou-me atacar mal chegasse ao grupo e foi o que eu fiz”.

“ATAQUEI SEM MEDO… ”

“Sabia que eles estavam a marcar os meus dois colegas de equipa que à partida eram os mais fortes, então ataquei sem medo pois sabia que eles iam conseguir controlar as tentativas de ataque atrás de mim”, relembra Rúben Rodrigues.

Quando percebeste que podias ganhar? “Quando seguia na fuga com o António Morgado a três minutos do segundo grupo e o meu treinador disse que a corrida era para mim, foi aí que eu percebi que ia ganhar”.

Quando o Morgado te alcançou, chegaste a pensar que o título seria para ele? “Sim, pois ele podia facilmente ganhar isolado, mas o Morgado e o treinador acordaram em me oferecer esta vitória visto que andei grande parte da corrida isolado na frente”, referiu Rúben Rodrigues.

“NÃO FOI NADA FÁCIL”

O ciclista de Guimarães foi o grande protagonista na corrida de Juniores, que terminou – tal como o ‘Nacional’ de Contrarrelógio – com três ciclistas do Bairrada no pódio. Apesar de ter parecido uma vitória fácil – o pelotão chegou a mais de três minutos de diferença – Rúben Rodrigues lembra que a corrida “não foi nada fácil” e explica: “era uma corrida que pedia muita disponibilidade física, mas também muita inteligência e calma. A corrida foi muito atacada desde início e eu sabia que mais tarde eles iam pagar o esforço, então preferi seguir intermédio com mais dois atletas até ao momento do ataque final. Estava muito calor e a hidratação era fundamental também…”.

Um título de Campeão Nacional não surge por acaso e Rúben Rodrigues, que ingressou esta época no Bairrada, refere que “tem sido um ano em que tenho dado 100 por cento de mim para estar em forma e ajudar a equipa. Sabia que o meu dia ia acabar por chegar”.

Rúben Rodrigues, que conquista o título nacional no seu primeiro ano de Juniores, considera que “vai ser um privilégio enorme poder usar esta camisola durante o próximo ano”. Uma camisola que lhe traz, também, mais responsabilidades…

“ESTA CAMISOLA É O SIMBOLO DO ESPÍRITO DE EQUIPA E DO TRABALHO”

“Esta camisola é o símbolo do espírito de equipa e do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido entre todos durante este ano. Vou vestir uma camisola que pertence a cada elemento da Bairrada, desde ciclistas a staff. E isso é motivo de grande responsabilidade”, referiu o ciclista de 17 anos.

Vai dar-te mais motivação já na Volta a Portugal? “Claro, é a camisola que centenas de ciclistas ambicionam ter… e poder competir com ela na Volta a Portugal ao lado da minha equipa vai ser magnífico”.

REGRESSO AOS TREINOS… E À PENHA

Rúben Rodrigues, que ainda vive um ‘sonho’, já regressou aos trabalhos e hoje mesmo fez o seu trajeto preferido: a subida à Penha… “é o meu local de treino favorito, poucas são as vezes que não treino lá para ser sincero”.

Agora vem aí a Volta a Portugal, que arranca já na quinta-feira, e o ciclista vimaranense garante que o grande objetivo “é desfrutar”.

Rúben Rodrigues que se iniciou no ciclismo no CC Avídos, ingressando depois na UC Trofa, divide a sua paixão pelo Ciclismo com os estudos e confessa que “não foi fácil conciliar as duas coisas, ainda para mais em ano de exames”, mas, salientou, “com esforço tudo se consegue”.

Com os olhos postos nas “áreas das engenharias ou gestão”, Rúben Rodrigues não descura os estudos, enquanto encara o Ciclismo sem pressões… “No ciclismo aprendi que tudo tem o seu tempo, não vale a pena fazer grandes previsões, por isso, para já quero concluir os meus dois anos de Júnior e logo se vê o que o futuro me reserva”.

Fotos: FPC

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS