BASQUETEBOL

FamaBasket imparável em Sub-14

O FamaBasket está imparável no Torneio Distrital de Sub-14 da Associação de Basquetebol de Braga. No fim de semana deslocou-se ao recinto do Famalicense e ganhou por 9-97, em jogo da quinta jornada da Série B.

O FamaBasket lidera a série com 10 pontos referentes a cinco vitória, enquanto o Famalicense é quarto classificado com cinco pontos.

No outro jogo da Série B, o Maria da Fonte recebeu e bateu o Vitória SC A, por 53-46, resultado que lhe permitiu ascender ao segundo lugar, com oito pontos.

 

ANDRÉ SÁ: “A ADESÃO AOS TREINOS TEM SIDO GRANDE”

 

A forte adesão aos treinos por parte dos atletas, o entusiasmo e a entrega foram as notas dominante do regresso aos trabalhos e à competição do FamaBasket, clube que completou recentemente o seu segundo ano de existência.

Para André Sá, um dos fundadores e responsáveis pelo clube de Famalicão, a remota dos treinos e da competição ainda esta época foi muito importante…

“Para o Basquetebol e particularmente para o FamaBasket foi muito importante o regresso aos treinos e à competição”, disse André Sá, que lembrou que “estamos apenas no nosso segundo ano de atividade, sendo que logo no primeiro todos os nossos projetos foram interrompidos”.

A pandemia suspendeu temporariamente a atividade (no terreno) do clube, como acabou por o fazer com todos os clubes e modalidades, mas o FamaBasket “regressou mais forte e decidido”, disse André Sá, que salientou que “felizmente a taxa de abandono por parte dos nossos atletas foi praticamente nula. A adesão aos treinos tem sido grande por parte dos atletas”.

De resto, “neste momento estamos a desenvolver uma série de ações com as escolas do concelho, para dar cada vez mais visibilidade ao nosso projeto!”.

 

“HÁ UMA GRANDE VONTADE POR PARTE DOS MIÚDOS EM PRATICAR BASQUETEBOL”

 

André Sá considera que “há uma grande vontade por parte dos miúdos em praticar Basquetebol. Estavam ansiosos por poder regressar! As dinâmicas neste momento dentro e fora do campo são já muito interessantes. Estamos também a tentar envolver os pais no projeto para que haja uma maior ligação entre clube e atletas/família”. De resto: “a abertura dos pavilhões ao público é mais um passo aumentar essas mesmas dinâmicas”.

Vocês fizeram algum tipo de trabalho com os atletas durante o confinamento? “Não. A nível técnico e físico deixamos um pouco ao critério de cada um. Nem todos tinham as mesmas condições e achamos que era reverter um pouco a essência da modalidade estar a incutir determinadas regras durante esse período. Mantínhamos apenas contacto com as crianças… porque não nos podemos esquecer que são crianças”, disse aquele responsável, que adiantou que “pedimos apenas, no início e de uma forma facultativa, que nos enviassem uns vídeos para publicarmos do que poderiam estar a fazer. Apenas e só para manter os níveis de confiança e autoestima altos! Depois quando foi possível sair de casa, alguns atletas juntavam-se para correr em conjunto no Parque da Cidade”.

André Sá considera que esses contactos forma importantes, mas salientou que “eles de uma forma natural estavam sempre ligados ao clube e à modalidade, porque como crianças que são não tinham a verdadeira noção da situação e além disso no início seria sempre algo provisório. Obviamente o tempo foi passando e com o fecho novamente no início do ano, era nossa obrigação estar mais atentos e manter esse contacto de forma a criarmos sempre a expectativa que ‘daqui a uns dias estaremos de novo a treinar e jogar’!”.

 

SUB-14 FEMININAS OBRIGADAS A DESISTIR

 

 

Para aquele responsável, o regresso à competição – mais de um ano depois da suspensão – foi importante… “A competição obviamente é um fator de motivação para os atletas… eles treinam para poder jogar com outras equipas, é natural”.

“Temos pena que a nossa equipa feminina de Sub-14 fosse obrigada a desistir depois de ter realizado o primeiro jogo, uma vez que não tínhamos meninas suficientes para poder jogar… a não ser que utilizássemos três atletas de primeiro ano de Sub-16, que iniciaram a modalidade há uns meses atrás, mas por decisão da ABB não foi possível”, lamentou André Sá, para quem “os resultados no marcador para nós pouco ou nada interessa. Iremos arranjar outras formas de poder dar competição a essas atletas”.

 

“CONTÉM COM O FAMABASKET CHEIO DE ENERGIA E MUITAS NOVIDADES”

 

Para além de dar seguimento à época e às competições que estão a decorrer, o FamaBasket encara o resto da época com muita motivação e muita vontade de trabalhar.

“O nosso projeto foi interrompido logo a meio do primeiro ano e como devem imaginar temos milhares de ideias e projetos para pôr em prática… e ainda só conseguimos concretizar meia dúzia. Por isso contém com o FamaBasket cheio de energia para a próxima época com muitas novidades para breve!!!”, disse André Sá.

 

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS