CICLISMO

‘Armada’ minhota à conquista dos Açores

São muitos os ciclistas minhotos que participam no GP Azores – Volta a São Miguel, prova por etapas que se realiza no fim de semana e é exclusivamente dedicada a corredores sub-23.

Entre os minhotos o destaque vai para os ‘caloiros’ Ricardo Machado, ciclista de Braga da Kelly/Simoldes/UDO, o vianense Roberto Cardoso e o limiano Diogo Costa, ambos do Fortunna-Maia.

Na prova que conta com mais de 70 atletas inscritos, de realçar ainda a presença do vimaranense Pedro Miguel Lopes e o barcelense Hélder Gonçalves, ambos da Kelly/Simoldes/UDO, ciclistas que prometem estar na discussão das etapas e da classificação final.

Diogo Almeida, famalicense da Team Porminho Sub-23, é outro dos nomes a ter em conta nesta prova dos Açores.

Marcelo Gabriel (ex-Seissa) e Renan Quadri (ex-Tensai) também fazem a sua estreia nesta prova dos Açores, que contra com a participação de 14 equipas, destacando-se as continentais LA Alumínios-LA Sport e Kelly-Simoldes-UDO, nove formações de clube portuguesas, dois blocos amadores espanhóis e o conjunto açoriano Fontinhas Ativa/Promotora.

O GP Azores – Volta a São Miguel arranca este sábado pelas 12h e levará os corredores para uma viagem de 106 quilómetros, que terminará, cerca das 15h, na Ponta do Sossego, no Nordeste, depois de ultrapassados três prémios de montanha, o último, de primeira categoria, a 15 quilómetros da chegada.

A segunda etapa é a mais extensa da competição, iniciando-se às 12h de domingo e terminando depois das 15.30h, na Ribeira Grande. O itinerário de 140,9 quilómetros inclui três prémios de montanha. O mais exigente, de primeira categoria, está colocado ao quilómetro 106.

A terceira e última etapa realiza-se segunda-feira, feriado açoriano, e é a mais curta, mas a mais intensa em termos montanhosos. O pelotão sai do Estádio São Miguel, às 11h e tem pela frente um percurso de 99 quilómetros, com cinco subidas pontuáveis para a classificação dos trepadores, a última, de primeira categoria, coincidente com a meta. A montanha final tem 10,2 quilómetros, com uma inclinação média de 7,6 por cento.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS