CICLISMO

Viana do Castelo recebe ‘Clássica de Viana’

Viana do Castelo recebe a três de julho a ‘Clássica de Viana’, prova de Ciclismo destinada ao pelotão nacional de profissionais e Sub-23, que é organizada pelo ex-ciclista vianense Ricardo Costa, através da Classificações.net e Do&Go.

A Clássica de Viana, que vai homenagear todos os atuais e ex-ciclistas profissionais de Viana do Castelo, é uma novidade na panorama do Ciclismo nacional e promete cativar ciclistas e adeptos pelo caráter diferenciado, bem ao estilo das realizadas já por essa Europa fora, como o Paris-Roubaix ou Clássica Strade Bianche.

RICARDO COSTA: “PROJETO PARA TER CONTINUIDADE”

Ricardo Costa, ex-ciclista de Vila Franca, e mentor do projeto explicou que “este é um projeto para ter continuidade” e adiantou que “o objetivo é realizar esta clássica em março ou abril, mas este ano e devido à pandemia não foi possível realiza-la mais cedo e, por isso, ficou marcada para três de julho. Não é a data ideal, até porque é muito próximo da Volta a Portugal e algumas equipas e ciclistas podem não participar devido aos estágios e á sua preparação”.

O responsável pela Do&Go salienta que “o grande objetivo é que a clássica vingue e seja uma prova de futuro. Numa primeira abordagem apresentamos o projeto para durar até 2023, ano em que Viana do Castelo poderá ser a Capital Europeia do Desporto”.

Como surgiu a ideia de realizar uma Clássica em Viana do Castelo? “Eu fui ciclista e em 2004 participei na Clássica de Tro-Bro Léon. Fiquei encantado. É uma prova que tem junta vários tipos de piso como alcatrão, sterrato, pavê, etc… É uma prova que há 10 anos não seria bem aceite em Portugal, mas agora, atendendo ao que se faz lá fora, a clássicas como a Strade Bianche, a Paris-Roubaix, poderá ser muito bem aceite”.

CICLISTAS APROVARAM O PROJETO

A organização realizou esta semana uma ‘visita guiada’ a alguns ciclistas do pelotão nacional e recebeu a nota positiva: “fizemos questão de ter representantes de todas as equipas profissionais do pelotão nacional. A opinião foi positiva, Todos disseram que o circuito é inovador, passa por troços interessantes e por estradas de alcatrão, paralelo, sterrato, pavê. É uma prova com piso misto e com paisagens magníficas. Aqui o único senão é mesmo a data. O preferível será março, abril, no limitre maio, mas este ano foi a possível”.

Também a Câmara Municipal de Viana do Castelo recebeu o projeto com olhos: “a primeira abordagem que fizemos foi à Câmara Municipal de Viana do Castelo, que este ano viu alguns eventos de Ciclismo ser adiados, como foi o caso da Resistência de XCO. Nós lançamos o desafio se era possível usar essas verbas do BTT para este evento e foi aceite de bom grado”.

HOMENAGEM AOS CICLISTA DE VIANA DO CASTELO

Porque a escolha de Viana do Castelo? “Se calhar pouca gente sabe que nos últimos 20 anos saíram muitos ciclistas profissionais da zona de Viana do Castelo e esta clássica acaba por ser uma prova homenagem a esses ciclistas. O percurso inicial passará por, praticamente, todas as freguesias que tem ou já tiveram ciclistas profissionais”.

Assim a partida será em Vila Franca de onde são naturais Ricardo Costa, André Vital, David Vaz e César Fonte; Mazarefes de José Vaz; Vila Nova de Anha de Rui Lavarinhas; Barroselas de Rui Sousa, Rui Pinto, Paulo Costa e Sandro Pinto; Santa Marta de Ana Barros, Eduardo Noé e Iuri Leitão, Perre de João Amaro, Meadela de João Silva e Ricardo Felgueiras e prossegue até Viana.

A partir daqui os ciclistas iniciam um circuito de quatro voltas na Subida de Santa Luzia, segue-se um sector de sterrato com 4,6 quilómetros, que conta com uma descida técnica e rápida para Carreço. Inicia-se então o segundo sector da Veiga Carreço/Areosa, que conta com bastante pavê e várias viragens alternado esquerdas e direitas que levaram à ‘renovada’ Praia Norte. Os ciclistas têm depois a subida até Avenida do Atlântico que os conduzirá à reta da Meta em frente à N. Sra. da Agonia.

Comentários

Artigos relacionados

Ver também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS