VOLEIBOL

João Peixe “chamada à Seleção do Minho é motivador”

A Seleção Regional de Voleibol do Minho (Associação de Voleibol de Braga/Associação de Voleibol de Viana do Castelo) participou há um ano no Torneio Internacional das Camélias, prova organizada pela Associação de Voleibol de Braga, que se realizou em Celorico de Basto.

No Torneio Triangular participaram a Seleção do Minho (Associação Voleibol de Braga / Associação Voleibol de Viana do Castelo), a Seleção da Associação Voleibol Alentejo e Algarve e a Federación Galega de Voleibol.
Com uma equipa relativamente jovem, o Minho mostrou estar em franca evolução e João Peixe, na altura, considerou que a Seleção do Minho tinha “atletas com muito potencial de crescimento”.

“A chamada à Seleção do Minho é sempre motivo de alegria para as atletas, dá-lhes uma certa motivação para continuarem a trabalhar e a evoluir. Na Seleção as atletas conhecem outras realidades e têm experiências enriquecedoras”, começou por afirmar João Peixe, selecionador regional do Minho.

Para João Peixe “as atletas com qualidade para estar na Seleção já não têm grandes dúvidas sobre a continuidade na modalidade”, mas ser selecionada “acaba por ser o corolário do trabalho que vão fazendo ao serviço dos seus clubes e da evolução que vão demonstrando”.

 

POUCO TEMPO DE TREINO

 

Para preparar a primeira edição do Torneio Internacional das Camélias, a Seleção do Minho começou a trabalhar em inícios de novembro, com os treinos de captação, mas foram muito poucos os treinos realizados… “preparar a Seleção do Minho não é fácil. O calendário de provas é apertado e legitimamente os clubes querem treinar com todos os seus elementos” disse João Peixe, que salientou que “a Seleção do Minho é a recompensa que a Associação de Voleibol de Braga dá às miúdas, que assim podem participar em torneios com outras Seleções, que têm outras realidades. As miúdas gostam destes ambientes e continuam a fazer o Voleibol de que tanto gostam”.

Ser chamada à Seleção Regional do Minho é algo muito positivo para as atletas, que podem aqui ganhar uma ligação extra à modalidade?

“Como tudo, a chamada à Seleção tem muitos pontos positivos, mas também pode ter aspetos negativos. Estar nas selecionáveis para a Seleção tem sempre o efeito motivador, leva as miúdas a treinar mais, a continuar ligada à modalidade. E elas têm aqui uma experiência muito enriquecedora, elas percebem que o Voleibol não termina nos treinos da sua equipa, que há outras formas de jogar, de treinar. Conhecem outras Seleções, outras realidade e podem evoluir mais”, disse João Peixe, que salientou que “também há o risco de algumas atletas chegaram aos seus clubes e acharem que são mais do que as outras porque foram à Seleção. Isso também é contraproducente. Temos que saber lidar com essa situação”.

 

RECOMEÇAR DO ZERO

 

A Seleção do Minho que participou no Torneio Internacional das Camélias, em Celorico de Basto, era, talvez, a mais jovem de todas e aquela que permitia ser trabalhada por mais tempo…Mas a verdade é que, provavelmente, nenhuma delas poderá ser chamada para uma nova convocatória.

“Quase de certeza que vamos ter que começar uma equipa do zero. Por norma, a maior parte das atletas participam nos trabalhos da Seleção um ano, algumas dois anos. Se calhar a Seleção do ano passado, que viu os trabalhos interrompidos, era a que tinha mais atletas que podiam fazer dois anos. Nós estávamos a trabalhar com atletas de 2004, mas tínhamos muitas atletas de 2005 e algumas até de 2006. Essa era a primeira geração que eu poderia ter por mais tempo na Seleção. Agora teremos de refazer toda a equipa, isto assumindo que na próxima época já tenhamos competições…”.

Para além de refazer a equipa, João Peixe sabe que a qualidade não será a mesma: “as atletas, que vão ser do escalão 2006, suspenderam os treinos quando eram Infantis, ainda estavam a aprender o ‘beabá’ do Voleibol, ainda disputavam os ‘Regionais’, onde os jogos são relativamente fáceis…quando iam começar os ‘Nacionais’ foram todas para casa”.

 

“ERA IMPORTANTÍSSIMO DESCONFINAR AINDA ESTA ÉPOCA”

 

João Peixe considera que “era importantíssimo desconfinar ainda esta época, para que as atletas se adaptem aos exercícios, à retoma de rotinas, à acostumação da bola. Se esperarmos para setembro para retomar o desporto dificilmente teremos atletas aptas para disputar os campeonatos e não estou a ver que em novembro se faça treinos de captação para a Seleção e que essa equipa seja parecida em termos de qualidade às anteriores”.

O selecionador regional salientou que “o Voleibol é uma modalidade extraordinariamente técnica e as atletas ainda estavam a aprender os passos de chamada, o saber ler a trajetória da bola o mais cedo possível, o sair para o gesto do ataque, que é complicadíssimo. Um ano e meio sem ver a trajetória da bola e enquadrar o salto…elas não vão conseguir fazer nada disso”.

Para além dos trabalhos nos clubes, as atletas precisariam de treinar mais na Seleção: “isso dependerá sempre do calendário de provas e da aprovação dos treinadores e clubes para que possam treinar com alguma regularidade na Seleção. Não é fácil ir ao encontro de todas as partes interessadas”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS