CANOAGEMENTREVISTAS

Sérgio Maciel ambicioso: “quero conquistar título Europeu e Mundial de Sub-23”

“O grande objetivo para este ano passa por ganhar o Campeonato da Europa e do Mundo de Sub-23, isto, claro, se as fronteiras abrirem e as provas de puderem realizar” disse Sérgio Maciel, canoísta do Viana Garças Clube, que continua a preparar a nova temporada com afinco.

Sérgio Maciel, que completa 23 anos em junho, tem dividido a sua preparação entre “os treinos no rio e as caminhadas”, já que “os ginásios estão fechados e torna-se complicado fazer essa parte da preparação. O ginásio faz muita falta a nível de treinos para a época, embora não seja constrangedor para a Maratona”.

O canoísta do Viana GC começou cedo a preparar a época, mas a pandemia, a exemplo da época passada, veio alterar-lhe os planos. A Taça de Portugal de Maratonas, agendada para 31 de janeiro, foi cancelada, assim como o Controlo Nacional 1 x 2000 metros e 1 x 250 metros, que se deveria realizar no próximo fim de semana.

“A época começa já com o cancelamento de provas e eventos. A pandemia não dá tréguas” disse Sérgio Maciel, que adiantou que “resta-me continuar a trabalhar para me manter em forma. Se vou parar perco tudo e depois quando remarcarem as competições não tenho tempo para recuperar o andamento e a forma”.

Esta situação de incerteza desanima-te? “Claro que desanima sempre um bocado. O ano passado fiquei destroçado quando cancelaram o Europeu da Hungria…já tinha tudo pronto, os bilhetes na mão, a preparação toda feita e uma semana antes da competição cancelaram-na… foi um sentimento horrível. Já a Velocidade, porque é uma modalidade olímpica, pode realizar as provas. Não percebo porque é que umas provas se podem realizar e outras não…”.

“NÃO ME DEIXO IR ABAIXO”

Sérgio Maciel garante, no entanto, que “tenho de me abstrair destas situações, da incerteza da realização das competições e continuar motivado e a trabalhar. Eu vou trabalhando, sempre com muito foco, com o apoio incondicional do meu treinador, Rodolfo Coelho, dos meus pais, dos meus patrocinadores e da minha namorada. Não me deixo ir abaixo”.

De resto, Sérgio Maciel, que agora tem de dividir a canoagem com o trabalho, conta ainda com a ajuda do irmão: “ele já tem outro andamento agora e acompanha-me nos treinos. Claro que há treinos e dias mais complicados”.

“Neste momento, estou a fazer treino misto (Pista, Fundo e Maratona) porque não sabemos que tipo de prova teremos quando abrirem as competições. Por isso, o meu treinador planeou-me um treino misto para estar preparado para qualquer vertente”.

Quanto aos objetivos para a nova temporada, Sérgio Maciel não tem dúvidas: “quero conquistar o título Europeu e Mundial de Maratonas de Sub-23” e adiantou: “é o meu último ano na categoria e queria sair em grande. Claro que está sujeito à abertura das fronteiras e à realização das provas, mas é com esse objetivo que estou a trabalhar”.

O Campeonato da Europa de Maratonas está agendado para julho (8-11) em Moscovo, na Rússia, enquanto que o Campeonato do Mundo se realiza em Pitesti, na Roménia, de 30de setembro a três de outubro.

“Sei que possa sair frustrado, como aconteceu o ano passado. Estar a treinar e chegar à altura da prova e ver tudo cancelado. Mas não posso pensa nisso. Tenho de trabalhar e ser ambicioso. Neste momento, o meu tempo é mais limitado, pois tenho de conciliar os treinos e o trabalho. Não é fácil, mas conto com a ajuda dos meus pais e sem eles seria muito complicado conciliar as coisas”, disse o canoísta do Viana GC.

“PODEM SURGIR SURPRESAS”

Quanto à concorrência que pode encontrar nas duas competições, tem alguma ideia dos adversários?

“Há dois anos conhecia bem os adversários, mas neste período de tempo houve atletas que subiram de escalão, atletas que saíram dos Juniores e podem surgir surpresas” referiu Sérgio Maciel, que lembrou: “como eu causei surpresa quando cheguei ao escalão. No meu primeiro ano de Sub-23 consegui surpreender no Europeu e no Mundial. Portanto, tenho de contar que podem aparecer surpresas e estar 100 cento preparado para lutar pelos meus objetivos”.

Sérgio Maciel salientou que “tenho algumas informações dos atletas que vão surgindo através dos dois canoístas húngaros que ficaram no pódio comigo e com quem mantenho alguns contactos, mas há muitos atletas a subir de escalão e preciso de ter cuidado”.

Sérgio Maciel é um apaixonado pela Maratona, embora tenha começado pela pista…

“A Maratona é, sem dúvida, a minha modalidade preferida. Gosto do espetáculo da prova, da imprevisibilidade e da possibilidade de se recuperar de um mau arranque ou do caiaque virar, mas temos mais de 22 quilómetros para recuperar. Pela seleção fui a muitos sítios e participei em provas fascinantes. Sei que tenho pouca experiência comparando com o José Ramalho ou como Nuno Barros… é totalmente diferente do meu mundo”.

Como surgiu a canoagem na tua vida? “Surgiu por casualidade. Em 2006, tinha eu oito anos, vi passar as canoas no rio e quis experimentar. Durante dois anos fiz canoagem nas férias e em 2008 entrei para a competição a nível de caiaque. Não tinha grandes resultados, as minhas posições eram do meio da tabela. Experimentei várias especialidades e em 2012 surgiu uma aposta e experimentei a canoa e logo na primeira prova, que se disputou em Ponte de Lima, fiquei em segundo lugar. Fui para as canoas por incentivo do Paulo Raposo e Diogo Ribeiro e só lhes tenho a agradecer e muito. Nunca me deixaram ir abaixo, apoiaram-me sempre”.

Sérgio Maciel foi crescendo na Maratona e desde 2016 que está integrado na comitiva nacional e garante que “participar nas provas internacionais, assistir às competições é fascinante…é emoção até ao fim”. E o canoísta de Viana do Castelo já conhece o sabor de vencer no estrangeiro, em 2016 conquistou o Campeonato da Europa como Júnior e dois anos depois sagrou-se Campeão do Mundo de Sub-23, prova que se realizou em Prado.

2018, UM ANO MEMORÁVEL

“2018 foi um dos anos mais marcantes para mim. Foi uma nova etapa da minha vida, consegui mostrar que mesmo poucos somos fortes e que temos valor” disse Sérgio Maciel, que adiantou “foi um ano muito importante, em que tive o apoio do meu treinador, que me acompanhou em todos os momentos”.

O ano começou com a participação na Taça do Mundo de Maratonas, que decorreu em Viana do Castelo… “no primeiro dia fizeram a maratona curta e no segundo dia foi a distância longa. O rio estava muito bravo, com muita ondulação. Consegui alcançar o sétimo lugar da geral, fui terceiro em Seniores a nível nacional (Taça de Portugal) e primeiro em Sub-23”.

O Campeonato da Europa realizou-se na Croácia: “lembro-me que virei na segunda volta, ia na quarta posição e caí para o oitavo lugar, mas meti-me dentro do barco, fui buscar o grupo perseguidor e acabei na terceira posição. Depois desse resultado o selecionador nacional, que me tinha chamado para fazer a seletiva para o mundial de pista, em conversa com o meu treinador, decidiu que eu me deveria dedicar ao monolugar, pois podia fazer uma boa classificação do Mundial de Maratonas…foi uma boa decisão”.

Depois veio o Mundial, que se realizou em setembro de 2018 na Vila de Prado, e Sérgio Maciel garante que “foi um dia memorável. O meu pai acompanhou-me durante os 23.600 quilómetros de bicicleta, o meu treinador presente e o selecionador na portagem para abastecer. Estavam os três em contacto e dar-me apoio, os meus familiares e amigos estavam lá…não podia ter sido melhor. Foi uma prova espetacular. Senti-me sempre muito bem e no fim então…indiscritível”.

“BALANÇO POSITIVO…APESAR DE TUDO”

Relativamente ao ano de 2020, Sérgio Maciel garante que o balanço, apesar de tudo, foi positivo: “depois da pandemia, dos clubes terem sido obrigados a chegar, tentei manter-me o mais ativo possível. Fiz bastante exercício físico e quando as coisas abriram senti-me bastante bem e começamos a treinar. Foi uma sensação muito boa depois de tanto confinamento. M termos de provas consegui revalidar o título de Campeão Nacional de Maratonas. Fui à Pista – em 2019 não fui por opção – e consegui mostrar que, não sendo a especialidade que mais gosto, consigo discutir os resultados. Fui quarto nos 1000m e fiz quinto nos 500m em Sub-23. Fui Vice-Campeão Sénior de Fundo e conquistei o ouro em Sub-23”. Portanto “tenho de fazer um balanço muito positivo”.

Apesar dos bons resultados, Sérgio Maciel debate-se com a falta de apoios: “eu tenho patrocinadores, a quem estou bastante agradecido, mas não chegam. E continuo à espera do apoio da Câmara Municipal de Viana do Castelo. Tenho 22 anos e em quatro anos já fui à Seleção Nacional bastante vezes, conquistei 12 medalhas (cinco em 2016, duas em 2017, três em 2018 e duas em 2019). Fui Campeão do Mundo em 2018 e que apoio me deram? Atribuíram-me o título de Cidadão de Mérito. Estão sempre a dizer que me vão dar um apoio, mas até agora nada”.

Nesta altura Sérgio Maciel conta com o apoio do Intermarché de Mazarefes, Élio Kayaks, CLSBrands, Móveis Carla, Barceltécnica, Amorosa Health Clube, Escola Condução Santa Luzia, Myagre e M. Art.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS