Sem categoria

Grupo Nun’Álvares já regressou aos trabalhos com “muito entusiasmo e alegria”

O Grupo Nun’Álvares regressou esta semana aos treinos no pavilhão depois de mais de dois meses a trabalhar à distância. O regresso “há muito ansiado por toda a equipa técnica, secção, atletas e pais, aconteceu com muito entusiasmo e muita alegria” referiu Marta Gonçalves, responsável da secção de Patinagem Artística.

O GNA regressou com os treinos das disciplinas de Patinagem Livre e Solo Dance, tendo ficado de fora da retoma a Patinagem de Grupo.

Marta Gonçalves referiu que “a adesão aos primeiros treinos foi muito positiva, até porque era algo ansiado por todos” e lembrou que “para além do treino propriamente dito, as nossas crianças têm no GNA o seu principal círculo de amizades, pelo que esta separação foi muito dura para todos”.

“TIVEMOS DE NOS REINVENTAR”

A responsável pela secção de Patinagem Artística do GNA lembrou que “fomos forçados a interromper os treinos no pavilhão em meados do mês de janeiro e tivemos que nos reinventar, com a certeza de que, desta vez, a impossibilidade de ter os atletas de patins calçados, a saltar, rodopiar e a deslizar de um lado para o outro do ringue poderia não ser uma situação passageira e se arrastaria por vários meses”.

“Fomos, mais uma vez, colocados à prova, postos perante mais um desafio, mais uma batalha! Mas tempos difíceis devem ser encarados por pessoas corajosas e resilientes! E é dessa fibra que somos feitos. Não desistimos, não baixamos os braços e voltamos ainda mais fortes na segunda-feira”.

“CONSEGUIMOS MANTER A LIGAÇÃO COM OS ATLETAS”

Nos últimos três meses, o Grupo Nun’Álvares conseguiu manter a ligação com os atletas… “com muito empenho e imaginação, conseguimos manter a ligação com os atletas, os pais e a família Nun’Alvarista. Utilizamos o mundo digital, mantivemos os treinos diários, as reuniões, as conversas, os quiz, os desenhos, os desafios, competições, aulas teóricas… Para além dos treinos normais (alguns dos quais com os patins calçados) com vista à manutenção da condição física dos atletas, tivemos treinos específicos direcionados para a modalidade” disse Marta Gonçalves, que lembrou que “tivemos, ainda, o treino dos Masters, treino bi-semanal, direcionado para a família e que proporcionou momentos de muita diversão e cumplicidade entre pais, filhos e treinadoras. No final de janeiro, lançamos o desafio ‘Got Talent em casa’, que implicava, da parte dos atletas, o envio de um vídeo a dançar ao som do “cha cha cha”, vestidos como se se tratasse de uma prova. Aliás, houve sempre a exigência, durante os treinos relativamente à forma como os atletas se vestiam e penteavam, exatamente como nos treinos em pavilhão. Os pais puderam votar na melhor performance, não sendo possível, claro, votar no/a seu/sua próprio/a filho/a”.

O Grupo Nun’Álvares nunca deixou de lançar desafios e manter o espírito de grupo. No Carnaval, por exemplo, “houve o envio de fotografias dos disfarces, atividade que muito nos divertiu”. Já em março: “convidamos o Pedro Rufino, Mestre em Ciências do Desporto, com certificação internacional em Programação Neuro-Linguística e Coaching, treinador de Ténis de Mesa, Campeão da Europa em 2014 e considerado o melhor treinador do mundo nesse mesmo ano, a dar uma palestra online, aberta às restantes modalidades desportivas do GNA, sobre “A Importância da Componente Comportamental no Sucesso Desportivo”.

“A AMBIÇÃO DE VENCERMOS ISTO FOI MAIS FORTE DO QUE TUDO”

Marta Gonçalves refere que “foram três meses desafiantes” e na hora do regresso ao pavilhão lembra o empenho de todos, por isso, “deixo um agradecimento muito especial às treinadoras, à secção, aos atletas e pais. Todos encararam este confinamento como mais uma competição, em que conseguimos sair vitoriosos!”.

Afirmando que “somos grandes na ambição”, Marta Gonçalves explicou que “e a ambição de vencermos isto, juntos, foi mais forte do que tudo!”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS