CICLISMO

Luís Barbosa (UCPB) “Maratona Ponte Barca foi inesquecível”

SONY DSC

“Foi um dia complicado, foi uma prova de BTT mesmo muito dura, com um acumulado bastante grande, de zonas muito técnicas e algo perigosas. Mas no fim o balanço foi muito positivo e os atletas gostaram bastante” foi assim que Luís Barbosa, presidente da União Ciclista de Ponte da Barca, recordou a I Maratona de Ponte da Barca, que se realizou exatamente há um ano e abriu, em 2020, o curto calendário de provas da Associação de Ciclismo do Minho.

Luís Barbosa referiu que “estamos a viver este dia com nostalgia, vai há um ano, mas, por tudo o que este último ano nos trouxe, parece que já foi há 10 anos” e adiantou: “lembro-me que foi um dia de chuva intenso, no fim foi inesquecível. Fizemos coisas muito bem, tivemos algumas falhas, que é normal porque era a primeira, mas tudo se resolveu e não houve incidentes de maior. Este ano não tínhamos nada marcado porque a incerteza é muita, mas esperamos poder realizar a II Maratona Ponte Barca no próximo ano. Não sei se dentro da vila ou numa freguesia próxima”.

Ainda sobre a I Maratona, Luís Barbosa fez questão de referir que “em termos de organização da prova de BTT não posso esquecer que tivemos a ajuda do Bombos S. Sebastião. Deixo aqui o meu agradecimento ao Jorge Sousa, que agora vai ser o treinador da equipa de Ciclismo, pela sua ajuda. Foi ele que desenhou a maior parte do percurso. Foi uma grande ajuda”.

A I Maratona de Ponte da Barca serviu para dar a conhecer a Rematelaborado – União Ciclista de Ponte da Barca, clube criado em 2020 e que se dedica, essencialmente, ao Ciclismo de Estrada.

“O nosso intuito com a realização da Maratona era angariar dinheiro para a equipa de Ciclismo de Estrada, mas no final tivemos de meter dinheiro do nosso bolso. As inscrições são o que são, os patrocínios são muito poucos e a Câmara Municipal ajudou dentro do possível. Já estou há algum tempo metido nas organizações de Ciclismo de Estrada e Trail e sei que é mesmo assim, há muitos gastos. Foi a ACM os comissários, a GNR, se calhar fizemos mal os calculos, mas para a próxima será melhor”.

 

BALANÇO POSITIVO DO PRIMEIRO ANO DA EQUIPA UC PONTE BARCA

 

Quanto à equipa de Ciclismo de Estrada, a UC Ponte Barca conseguiu fazer uma boa campanha, dentro das competições que se realizaram Alberto Amaral e Rosa Marques estiveram em grande destaque ao conquistarem vários títulos.

Para este ano, a UC Ponte Barca apresenta várias novidades. A equipa de Elites conta com dois ciclistas: David Mayo, de Leon, Espanha, e Natanael Almeida, enquanto que do ano passado se mantiveram quase todos os Master (saiu apenas um por questões profissionais).

“Temos dois atletas Elites, o David Mayo, que é um trepador nato. Espero que se façam provas este ano para ele poder mostrar-se e tenho a certeza que ele dará o salto no final da época. É uma força da natureza” disse Luís Barbosa, que adiantou que “o Natanael tem Escola de Ciclismo. Passou por vários clubes e marcou presença em várias provas de destaque. Terá, também, uma palavra a dar este ano. Claro que sem competição ainda não sabemos até onde ele pode chegar, só podemos falar dos treinos”.

Da equipa de Master, a UC Ponte Barca reforçou-se com António Rodrigues, de Monção, que vai alinha em Master 40 e que se junta assim a José Amorim, Alberto Amaral, Ricardo Araújo, Paulo Angélico, Hélder Azevedo, Daniel Alves, Ricardo Gonçalves, Nuno Pimenta e Samuel Cunha.

 

EQUIPA FEMININA AMBICIOSA

 

A equipa feminina apesenta-se este ano muito mais composta, contando com três atletas Elites – Sofia Ramalho, Isabel Santos e Ana Caramelo – e três atletas Master -, Verónica Pereira, Vânia Vilaça e Rosa Marques.

Luís Barbosa, presidente da UC Ponte Barca, assegura que “temos muitos objetivos para a equipa feminina. Temos atletas capazes de lutar pelos títulos e pelos pódios nas provas nacionais. Por exemplo, a Rosa Marques, que este ano sobe de escalão, tem como objetivo ser Campeã Nacional em todas as vertentes em que participar. E vamos ainda tentar com que consiga o apuramento para o Mundial. Para já ela está no quarto lugar, mas os apuramentos são em Coimbra e é ainda uma hipótese. Depois temos a Ana Caramelo, que já na época passada mostrou o seu valor, e que este ano pode chegar mais longe e pensamos que tem condições para ser chamada à Seleção”.

A equipa feminina, que conta este ano a massagista Inês Rodrigues, ainda não está fechada “gostávamos de ter mais uma Master 30 e uma Master 40” vamos ver como corre.

 

“OBJETIVO É GANHAR”

 

Quanto aos objetivos do clube, Luís Barbosa começou por salientar que “o ano passado foi de aprendizagem para todos nós, para nos conhecermos. Este ano somos uma equipa mais capaz e penso que poderemos lutar pelos títulos. O Alberto Amaral vai tentar revalidar o título de Master 50 em Contrarrelógio e chegar ao título de Rampas. Nos ‘nacionais’ de Fundo temos alguns atletas que podem chegar ao título ou ao pódio, o José Amorim, o Angélico, etc. Depois queremos marcar presença nas Voltas e nos Grandes Prémios que estão a ser organizados e aí tentar chegar às camisolas, à Amarela, a de Montanha. Vamos pensar menos nos resultados por escalão e trabalhar mais como equipa. O objetivo é ganhar. Penso que temos equipa para isso”.

A UC Ponte Barca já está a trabalhar há algum tempo, mas Luís Barbosa lamenta que “não seja possível juntar a equipa devido à situação que estamos a viver. Tínhamos estágio marcado para este mês com a equipa feminina, mas teve que ser cancelado. O da equipa masculina nem sequer chegou a ser marcado e não sabemos quando poderemos juntar as equipas. Todos têm feito treino individual à espera de melhores dias”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS