BASQUETEBOL

FamaBasket quer fazer época tranquila

Fazer uma época tranquila e criar bons hábitos de treino são algumas das metas de António Santos para a equipa Sénior do FamaBasket, formação que vai participar pelo segundo ano no Campeonato Nacional da II Divisão de Basquetebol masculino.

O técnico assume este ano o projeto dos Seniores do clube famalicense e garante que “não temos nenhum projeto megalómano, apenas queremos fazer um pouco melhor que o ano passado, criar hábitos e uma filosofia no clube”. O FamaBasket já regressou, entretanto, aos treinos, mas ao ar livre e de forma muita condicionada.

António Santos, que é um dos grandes reforços da equipa técnica do FamaBasket, vai trabalhar ainda com os Sub-16 e assumir a coordenação do Minibasquete.

“ESTOU SATISFEITO POR PODER COLABORAR COM A MINHA EXPERIÊNCIA”

António Santos, que nos últimos anos esteve ligado aos escalões mais novos, diz-se preparado para o novo desafio: “estou satisfeito por poder colaborar com a minha experiência e tentar ajudar o FamaBasket a ser um clube diferente porque esta é a minha forma de estar”.

Sobre o seu ingresso no FamaBasket, António Santos recorda que “eu entro neste projeto através das pessoas que já me tinham levado para o Famalicense há uns anos e que me fizeram o convite quando eu estava sem clube” e explicou que “eu saí do Famalicense porque me surgiu uma possibilidade de ir trabalhar para África, também no Basquetebol. Na hora de finalizar o processo apercebi-me de algumas coisas que me fizeram recuar porque achei que não era um projeto interessante. Avisei o clube, mas, entretanto, o clube tinha arranjado um substituto. E é aí que surge a proposta do grupo que já me tinha levado para o FAC”.

“UM PROJETO INTERESSANTE”

António Santos confessa que “quando surgiu o FamaBasket pensei que iria faltar quórum porque ter dois clubes de Basquetebol em Famalicão iria ser complicado, mas eles conseguiram ser bem-sucedidos o ano passado quer pelo número de pessoas que conquistaram, quer pelo trabalho bastante interessante que levaram a cabo, mesmo nas condições em que tiveram que trabalhar”, portanto, “é um projeto interessante, que pode crescer e ser uma mais valia no Basquetebol e para Famalicão”.

António Santos assume a equipa Sénior do FamaBasket com o objetivo de fazer uma época tranquila e criar bons hábitos de treino…

“Eu desconheço completamente a equipa Sénior. Tenho referências que me foram transmitidas sobre o processo do ano passado. São atletas que fizeram a formação nos vários clubes da cidade e que acabaram por não dar continuidade por várias razões. Estiveram três, quatro anos afastados da convivência do Basquetebol. Considero que, efetivamente, deve existir a equipa Sénior para que se possa dar à Formação a ideia de até ondem podem chegar”.

“CRIAR BONS HÁBITOS DE TREINO”

Quanto à equipa em si “não conheço os atletas, tivemos um pequeno contacto, mas a ideia é fazer um pouco mais do que fizemos o ano passado. Não estamos a pensar fazer algo megalómano, nada disso. Temos de ser realistas e tentar ver o que temos e onde podemos melhorar. Queremos fazer uma época tranquila, criar bons hábitos de treino, ter uma filosofia para permitir que haja um fio condutor na equipa e no clube. Praticamente, queremos criar algumas coisas mais consistente do que foi feito o ano anterior”.

A APOSTA NO MINIBASQUETE

Para além dos Seniores, António Santos vai coordenar o Minibasquete e considera que “cada vez mais devemos apostar nas pessoas com mais experiência para treinar os mais novos porque é aí que tudo começa. Faz sentido eu estar no Minibasquete porque sou formado nessa área e é interessante eu ir ao escalão mais baixo fazer o trabalho”.

Para António Santos uma das metas no Minibasquete “passa por aumentar o número de praticantes nesses escalões. É preciso cativar os miúdos para a modalidade e incutir-lhes o espírito de alegria e de convivência, mais do que o Basquetebol. Há aspetos que são mais importantes de trabalhar nesta fase. Quando tivermos mais quantidade então podemos fazer outro tipo de trabalho”.

“TREINADORES MAIS EXPERIÊNTES PARA O MINIBASQUETE”

António Santos, que é formador na Escola Nacional de Basquetebol (ENB), refere que Minibasquete deve ser uma das apostas principais dos clubes e, por isso, “defendemos que neste escalão devem estar os treinadores mais experientes, mas o que nós vemos é que para o Minibasquete vão os ex-praticantes da modalidade que estão a dar os primeiros passos como treinadores e eles não têm bem a noção da função deles. Viram-se muito para a parte competitiva, quando a função deles devia ser a cativação dos miúdos para a modalidade”.

António Santos vai mais longe e salienta que “com pessoas com outro tipo de experiência na Formação evita-se que aconteça o que aconteceu há duas décadas, em que uma grande maioria dos atletas de Formação começaram aos sete, oito anos e aos 14, 15 anos estavam a abandonar. As pessoas tinham a ideia que ser bom treinador é aquele que ganha e nem sempre essa é a realidade. Os próprios miúdos querem ganhar, mas nestes escalões ganhar não é tudo. O mais importante é os miúdos ganharem gosto pela modalidade e esforçarem-se para ganhar. Isso tem de ser transversal aos treinadores e jogadores. Claro que isto tem custos, mas temos que temos de pensar ou fazemos formação ou não fazemos… a nossa formação é bem-sucedida”.

O Basquetebol perdeu algum espaço há uns anos, com o abandono de alguns atletas ainda em idade de formação, mas António Santos considera que “está a aumentar outra vez”, mas salientou que “atualmente a oferta de modalidades é muita e as modalidades de pavilhão cresceram. Eu sou da opinião que os desportivos coletivos deveriam obrigatórios e que até aos 12 anos os miúdos deveriam praticar todas as modalidades coletivas isso iria ajudar a sã convivência entre todos e ajudá-los a decidir qual é a modalidade que mais gostam”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS