VOLEIBOL

AVC Famalicão regressa aos treinos no pavilhão

O AVC Famalicão regressou esta semana aos trabalhos no pavilhão, ainda muito condicionados e seguindo todas as normas recomendadas pela DGS e com a autorização da Câmara Municipal de Famalicão.

As primeiras a entrar em ação foram as Juniores  a reação não podia ter sido melhor. Paulo Marques, Coordenador Técnico do AVC Famalicão, explicou que  “começamos esta semana, fizemos dois ensaios. Não é uma situação fácil, é muito trabalhoso, mas é importante para o clube, para as equipas e para as atletas”.

“Estes encontros são muito importantes em termos anímicos e de mobilidade para as atletas que já estão fora da sua zona hámuito tempo”, disse aquele responsável.

Paulo Marques salientou que “a Câmara Municipal de Famalicão deu-nos a autorização para regressar ao pavilhão, seguindo todas as normas recomendadas pela DGS. As atletas chegam com um calçado e entram no pavilhão com outras sapatilhas, desinfetam as mãos e segue todos os procedimentos necessários e nós higienizamos tudo antes e depois dos treinos”.

“PREPARAR O TREINO DÁ MUITO TRABALHO, MAS VALE PELO CONVÍVIO”

Aquele responsável assegura que “preparar o treino dá muito trabalho, mas vale pelo convívio, pela questão de grupo. Temos conseguido dinâmicas engraçadas e liberta as atletas. Conseguimos falar de tudo”.

O AVC Famalicão começou os treinos com as Juniores, as Juvenis e se tudo correr bem amanhã são as Sub-21 a entrar em acção.

O clube vai ainda tentar ajustar os treinos para que as atletas possam ir mais vezes ao pavilhão: “começamos os treinos por escalão, mas a ideia é dar-lhes mobilidade individual para que possam ir treinar quando puderem. Perde-se a dinâmica da equipa, mas ganha-se na dinâmica do clube”.

De resto, o AVC Famalicão já faz muitos treinos entre escalões e as atletas acabam por se conhecer, por isso, “não se perde, ganham-se outras coisas”.

Entretanto, as equipas seniores ainda não têm data para regressar. As Seniores B devem retomar os treinos a partir do meio do mês, já que muitas estão envolvidas nos exames nas universidades.

JUNIORES B (SUB-21): “ESTAMOS INCRÉDULOS”

Paulo Marques diz-se incrédulo com o documento sobre a criação do Campeonato Nacional de Juniores B1.

Depois de terem sido cancelas todas as competições da formação, Paulo Marques não percebe como se avança para a criação do novo campeonato e a forma como se vai decidir quem faz parte da competição.

“Estamos incrédulos com tudo isto. Este documento vem, no mínimo, fazer mais ruído à volta do Voleibol. O documento não esclarece quem vai fazer parte desse novo campeonato e como se chegou a essas equipas ou se vai apurar as equipas. De resto, os campeonatos foram cancelados, como vão fazer agora as classificações?”.

Paulo Marques considera que “não se está a levar em conta os problemas que os clubes e não só estão a viver provocados pela pandemia. Todos estamos a passar por dificuldades e pedir aos clubes que façam mais jogos ou deslocações maiores não me parece correto. Assim, como não posso apresentar um planeamento agora a pedir o pavilhão para seis jogos e em setembro pedir para 10”.

De resto, o AVC Famalicão não vê com bons olhos a possibilidade de se promoverem os primeiros classificados das Séries dos Últimos quando “nem todos têm o mesmo número de jogos e numa altura em que se estavam a disputar os primeiros encontros da segunda volta. Não é justo, nem correto”.

Entretanto, a Federação Portuguesa de Voleibol já informou que as únicas equipas que já garantiram presença nos Juniores B1 são as oito que tinham assegurado a subida com a presença na Série dos Primeiros. As restantes quatro equipas terão que ser apuradas, podendo passar por uma fase de apuramento, a exemplo do que vai acontecer com a II e III Divisão de Seniores, mas para já não está definido como se vai disputar, nem quais as equipas em condições de a disputar.

Fotos: AVC

Comentários

Artigos relacionados

Ver também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS