CICLISMO

Diogo Costa: “tentar fazer bons resultados e ajudar a equipa”

Diogo Costa é um dos nomes fortes da Tensai/Sambiental/Santa Marta para a época 2020. O ciclista, da zona de Ponte de Lima, está no seu segundo ano de Júnior e entrou determinado em fazer uma boa época.

A situação pandémica que se vive adiou as competições e condicionou os treinos, mas Diogo Costa mantém-se confiante e quer ajudar a equipa a atingir os seus objetivos.

“Entrei com muito boas sensações para as duas primeiras provas e estava determinado em ajudar ao máximo a equipa já que a Taça de Portugal era um dos objetivos. A minha ambição era dar tudo e tentar fazer bons resultados, ajudar os meus colegas de equipa em tudo o que precisarem e ajudar a equipa”, começou por afirmar Diogo Costa, que acrescentou que “para o que resta da época e como muitas provas este ano já não se vão realizar e, muito provavelmente, só se realizarão as mais importantes, os objetivos passam, sobretudo, por aproveitar as provas ao máximo e demonstrar a minha qualidade”.

“VAMOS ESPERAR QUE NÃO CANCELEM AS PRINCIPAIS PROVAS”

A época velocipédica estava a arrancar quando surgiu o Covid-19, e o escalão de Juniores teve tempo apenas para disputar duas corridas: Prémio Cidade de Fafe – Prova de Abertura e Prémio de Ciclismo de Barroselas.

“Infelizmente não deu para fazer mais e eu até estava a ter boas sensações para um início de época, mas acho que foi a melhor decisão e agora resta esperar que não cancelem as principais provas do calendário quê é para essas que treinamos agora”, disse Diogo Costa.

Sobre as duas primeiras provas da época, o ciclista da Tensai faz um balanço positivo: “posso dizer que fiquei satisfeito. A época ainda estar a começar, penso que consegui fazer duas boas corridas em relação ao ano passado e estava super motivado para as provas que se avizinhavam, referentes à Taça de Portugal”.

“Entre as duas provas a mais complicada foi, sem dúvida, o Prémio de Ciclismo de Barroselas, pois para um início de época era uma prova extensa e foi sempre feita debaixo de chuva e muito frio o que ainda dificultou mais”.

A EXPERIÊNCIA NA PISTA

Diogo Costa foi um dos ciclistas da Tensai/Sambiental/Santa Marta presentes nas provas de Pista (Taça de Portugal e Campeonato Nacional).

“A pista foi uma nova experiência que tive este ano. É uma vertente que gosto, mas como não tenho lá muita experiência cometi alguns erros. De qualquer das formas é uma vertente que me serviu de preparação para a estrada pois são provas curtas, mas muita intensas”, disse Diogo Costa, que lembrou que “foi a primeira vez que tive a oportunidade de correr em Sangalhos. Já tinha experimentado em Espanha no meu primeiro ano de Júnior, mas como tinha acabado de entrar para o ciclismo não me adaptei lá muito bem. Este ano foi uma experiência espetacular e decerto evolui muito com o decorrer da época de pista”.

DOS TREINOS NOS ROLOS AO REGRESSO À ESTRADA

Com a suspensão das provas e dos treinos de equipa, Diogo Costa teve que se dedicar aos treinos nos rolos, mas hoje já conseguiu matar saudades das estradas…“agora, que já se pode treinar na estrada, vai ser tudo mais fácil, pois os rolos já estavam a chatear”, mas garante que “apesar de todas as limitações a preparação está a correr bem”.

O ciclista da Tensai lembra que “durante a quarentena ainda fui uma ou duas vezes fazer uns treininhos de 30 minutos para aliviar um bocado dos rolos. Agora já podemos ir para a estrada com cuidados claro, mas ainda não fui porque ontem não estava bom tempo para sair e decidi ficar nos rolos. Hoje o dia parece já estar melhor para treinar e já vai dar para matar saudades de algumas estradas que estava habituado a fazer todas as semanas”.

REPETIÇÕES DAS PROVAS DO WORLD TOUR PARA NÃO PERDER A MOTIVAÇÃO

Sobre os treinos nos rolos, Diogo Costa referiu que “acho que toda a gente que faz rolos tem a mesma opinião: é mais monótono e mais saturante; não é o mesmo que treinar na estrada. Hoje em dia com os rolos smart e com plantaformas como o zwift, que foram das coisas mais procuradas, ajudam a quebrar a monotonia dos rolos. Eu como não tenho zwift, fui me entretendo a ver as repetições das provas worldtour na televisão, para não perder motivação”.

Apesar de manter os treinos diários, o ciclista da zona de Ponte de Lima, confessa que “naturalmente, está a custar bastante passar este período. Por esta altura deveríamos estar com um ritmo de treinos mais elevado e a treinar com vista aos objetivos da época. Com tudo isto, os treinos são mais curtos, com menos intensidade e ainda sem certezas quanto ao futuro do calendário de Juniores”.

“NÃO PODIA ESTAR MAIS AGRADECIDO POR TUDO O QUE ME ENSINARAM E ENSINAM”

Diogo Costa está no ciclismo há algum tempo, mas apenas no ano passado enveredou pela Estrada… “entrei para o ciclismo de Estrada como Júnior de primeiro ano. Antes praticava BTT nos Batotas/Ponte de Lima, fazia XCO e algumas maratonas”.

“Entrei para a Tensai por ser uma equipa de formação no ciclismo de Estrada, vertente que sempre acompanhei e admirei. Hoje não podia estar mais agradecido por tudo o que me ensinaram e ensinam” referiu Diogo Costa, que acrescentou que “são, sem dúvida, uma grande equipa de formação nacional”.

“DIVERTIR-ME E APRENDER”

E o que pretende Diogo Costa do ciclismo? “Os meus objetivos no ciclismo passam, sobretudo, por divertir-me e fazer o que o que mais gosto que é andar de bicicleta. Depois quero aprender tudo o que puder para melhorar”.

Diogo Costa continua a gostar de BTT e decidir de qual vertente gosta mais, confessa, é complicado.

“Não é fácil decidir, mas gosto muito de fazer Estrada, principalmente, em equipa. O BTT é a vertente em que comecei e adoro fazer os trilhos e habilidades. Tento, sempre que não tenho provas de Estrada, participar em algumas provas de BTT, como as Resistências e Maratonas, pois é uma vertente que serve para aumentar a técnica e a confiança em cima da bicicleta”, referiu Diogo Costa, que adiantou: “mas entre as duas penso que a Estrada é a vertente que mais gosto de praticar. O BTT serve mais para o convívio e para não enjoar da Estrada”.

CONCILIAR ESTUDOS E O CICLISMO

A par do ciclismo, Diogo Costa dedica-se aos estudos “estou no 11.° ano no Curso Profissional Técnico Administrativo na Escola Secundária de Ponte de Lima”, e quanto ao futuro: “sinceramente, ainda não sei o que pretende seguir. Neste momento quero acabar o ensino secundário e ver o que dá… depois talvez mais tarde fazer um curso em algo que goste, realmente, de fazer”.

Nesta altura Diogo Costa, como todos estudantes do país, têm aulas em casa, o que acaba por facilitar na organização do tempo…

“Neste momento com o ensino à distância é mais fácil conciliar os estudos e os treinos. Temos mais tempo livre, mas em tempos ‘normais’, normalmente, tenho sempre o tempo contado e muito preenchido. O importante é aproveitar o tempo ao máximo, aproveito todos os intervalos que tenho para treinar e treino muitas vezes à noite, acho que o mais importante é gostar do que se faz”, referiu Diogo Costa.

“Se formos organizados não é difícil conciliar as duas coisas pelo menos eu sempre conciliei bem”

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS