VOLEIBOL

CARTaipense em desacordo com a realização da liguilha

O CARTaipense não concorda com a decisão da Federação Portuguesa de Voleibol em disputar as liguilhas de apuramento para a subida de divisão. Para o clube das Taipas “a liguilha não traz verdade desportiva à competição, muito menos da forma como está decidida”.

O CARTaipense concorda com o encerramento da época “era a decisão mais que esperada e correta dada a situação que estamos a atravessar”, como refere Alberto Lima Pereira, responsável pela secção do voleibol. Já a criação da liguilha de apuramento para as subidas de divisão apanhou o clube das Taipas de surpresa, ainda mais pelo número de clubes que podem participar na prova, na III Divisão são oito equipas quando só sobem duas.

“NÃO PERCEBEMOS PORQUE HÁ SUBIDAS, MAS NÃO HÁ DESCIDAS”

“Relativamente ao desfecho do Campeonato Nacional da III Divisão de voleibol, posso dizer que fomos apanhados um pouco de surpresa! Se o terminar a época 2019/2020 não foi surpresa, já o início da próxima sim, foi surpresa! Não percebemos porque há subidas, mas não há descidas!”, disse o responsável pela secção de voleibol do CARTaipense, que acrescentou: “somos da opinião que a época 2020/2021 deveria começar como se não existisse a época 2019/2020!”.

“NÃO PERCEBEMOS PORQUÊ TER QUE DISPUTAR UMA LIGUILHA…PARA SABERMOS EM QUE DIVISÃO VAMOS JOGAR ”

“Não percebemos o porquê de ter que disputar uma liguilha em setembro para sabermos em que divisão vamos jogar em 2020/2021, se jogamos na III ou na II! Vamos estar em desvantagem relativamente a todas as outras equipas!”, disse Alberto Lima Pereira.

O responsável máximo do voleibol do CARTaipense adiantou: “como se prepara uma equipa parada desde o dia oito de março, para jogar no início do mês de setembro? São cinco meses de paragem! Mais, temos que disputar uma competição, que tem que ser rápida, que vai interferir com o resto da época. Vamos ser obrigados a começar a treinar mais cedo para poder recuperar as atletas desta longa paragem. E será que o podemos fazer?”.

“MEDIDA FEITA A PENSAR NALGUM CLUBE”

Alberto Lima Pereira mostra-se ainda descontente com a forma encontrada pela FPV para decidir quais as equipas que vão participar na liguilha… “uma liguilha com oito equipas (as quatro primeiras de cada série) para apenas subir duas? Mas porquê? Esta foi uma medida feita a pensar nalgum clube. Se só sobem dois clubes porque fazer uma liguilha com oito clubes? Porque motivo não se faz o rácio como no masculino, oito equipas para quatro vagas. Subindo só duas no feminino, porque não se fazer a liguilha com quatro equipas?”.

CARTAIPENSE VAI APOSTAR NA SUBIDA

O CARTaipense está num dos lugares elegíveis para participar na liguilha, pois ocupava a segunda posição da Série A da fase dos Primeiros, e Alberto Lima Pereira garante que “o CARTaipense vai lutar pela subida de divisão. Essa era a nossa aposta para esta época, estávamos na luta apesar de haver outros projetos que investiram muito mais”.

Quanto à nova época, que arranca em setembro com as liguilhas de apuramento, o responsável pelo voleibol do clube das Taipas salienta que “estamos a preparar a equipa como o faríamos. Claro que também queremos subir de divisão e vamos apostar numa equipa forte. Estamos a equacionar reforçar a equipa, não está posta de parte a hipótese de irmos buscar alguma estrangeira. Certo é que vamos lutar pelos nossos direitos, apesar de não concordarmos com a liguilha queremos subir de divisão”.

Uma liguilha que ainda tem formato: “vamos esperar pela decisão da FPV sobre como esta liguilha vai ser disputada e que custos teremos com a mesma! Assim, como vamos equacionar a FPV sobre muitas outras questões porque inscrever uma equipa na III Divisão não é o mesmo numa II Divisão”.

Comentários

Artigos relacionados

Ver também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS