CICLISMO

João Loureiro entre a Maratona e as massagens na InGamba Tours

João Loureiro, ciclista de Braga que alinha na SAERTEX Portugal / Edaetech, ficou às portas do pódio na única prova de BTT XCM do Campeonato do Minho – Discover Melgaço, a Maratona de BTT de Ponte da Barca. O ciclista bracarense divide o seu tempo entre o trabalho de massagista na empresa InGamba Tours e a participação em algumas provas de BTT.

Mesmo estando bastante tempo afastado dos treinos regulares e de Portugal, João Loureiro participou na I Maratona de BTT de Ponte da Barca e conquistou o quarto lugar.

“Eu estou um pouco afastado da competição, fiz algumas provas no início do ano porque estava por Portugal” começou por referir o ciclista de Braga, que referiu que “desde maio de 2019 que estou a trabalhar como massagista desportiva na empresa InGamba Tours e isso impede-me de participar em todas as provas do Campeonato do Minho”.

QUARTO CLASSIFICADO NA MARATONA DE PONTE DA BARCA

SONY DSC

João Loureiro conseguiu participar na única prova de BTT XCM do Campeonato do Minho disputada até ao momento: “tinha feito a primeira viagem com a InGamba, que foram 15 dias na Califórnia. Regressei a Portugal, ainda consegui treinar durante três semanas e participar na I Maratona de Ponte da Barca. Alcancei o quarto lugar”.

Sobre a prova de Ponte da Barca, João Loureiro referiu: “alguns pormenores nas viragens mereciam outra atenção, mas foi a primeira vez deles e, por isso, considero que estava bem organizada. Era um percurso bastante duro e técnico, que se tornou mais difícil devido ao mau tempo que se fez sentir”.

João Loureiro tinha a perspetiva de participar em mais algumas provas: “nesta fase inicial do ano, tinha como objetivo participar no Grande Prémio do Douro em ciclismo e na Maratona de Melgaço, primeira prova da Taça de Portugal”.

INGAMBA COM VIAGENS SUSPENSAS ATÉ MAIO

No entanto, a pandemia do Covid-19 acabou por suspender todas as provas e viagens quer a nível nacional, quer internacional, deixando João Loureiro sem provas, nem trabalho…

“Com esta situação do Covid-19 todas as nossas viagens, pelo menos, até maio estão adiadas. Penso que foi a melhor decisão. Para a segurança de todos temos que nos manter o mais possível em casa e com poucos contactos sociais”, referiu o atleta bracarense.

Em Portugal, João Loureiro vai aproveitando para manter-se em forma e desfrutar do que mais gosta de fazer: “tento fazer treinos mais por perto de casa, sozinho e não faço paragens por exemplo em cafés. Quando chove opto por treinar em casa, pois o risco de ficar doente ou de queda é maior”.

NO TOP5 DO CAMPEONATO DO MINHO

João Loureiro já está no InGamba há quase um ano, o que o impediu de participar em todas as provas do Campeonato do Minho. Mesmo assim conseguiu terminar no top5: “o ano passado consegui fazer só três provas do Campeonato do Minho. Terminei em quinto lugar na Maratona de Facho; fiz sétimo lugar na Maratona de Melgaço, que contou para a Taça de Portugal, e fui segundo na Maratona Cidade de Braga. Com estes resultados ainda consegui acabar em quinto no Campeonato do Minho”.

“Foi um balanço positivo para as provas que consegui fazer. Foi pena não ter conseguido fazer as provas todas do Regional, mas ir trabalhar como massagista na InGamba era uma boa oportunidade para mim, para desenvolver as minhas técnicas e aprender com outras pessoas mais experientes”, referiu João Loureiro.

A OPORTUNIDADE DE SER MASSAGISTA NA INGAMBA

O ciclista de Braga lembra como surgiu a oportunidade para ingressar na equipa da InGamba: “a oportunidade surgiu através do meu fisioterapeuta. Ele foi ciclista profissional com alguns dos ex-ciclistas que lá trabalham. Eles precisavam de um massagista e falaram com ele a ver se conhecia alguém. Ele falou comigo e aceitei logo”.

A empresa, que tem duas partes, uma americana e outra portuguesa, trabalha maioritariamente em Itália e João Loureiro garante que a adaptação acabou por ser fácil.

“No início era tudo novo para mim, mas os meus colegas de trabalho puseram-me à vontade e mostraram-se sempre disponíveis para me ajudar” referiu o ciclista bracarense, que adiantou “temos sempre que fazer, desde preparar as bebidas como água, sais e recover. Também preparamos alguma alimentação, como orientar as barras, géis, também cozinhamos arroz doce, aletria e cookies”.

A InGamba é uma empresa que se destina mais a organização de eventos, mas que proporciona grandes experiências de ciclismo aos atletas.

“A empresa não faz muitas provas, basicamente nós organizamos eventos onde os nossos clientes podem ter uma experiência de como é a vida de um ciclista profissional. Temos bicicletas, equipamentos, o carro de apoio está presente nos treinos com mecânicos e massagistas para dar qualquer apoio que seja preciso, caso haja alguma avaria na bicicleta”.

“ESTÁ A SER UMA BOA EXPERIÊNCIA”

João Loureiro está satisfeito com a experiência: “Estou a gostar muito desta aventura. Está a ser uma boa experiência, pois trabalho com muitas pessoas diferentes, com gostos e ideias diferentes. Isto está a ajudar-me muito no meu desenvolvimento e na forma de me adaptar às várias situações. Além disso, ainda tenho a oportunidade de conhecer vários países e sítios míticos do ciclismo mundial”.

João Loureiro já exercia a profissão de massagista em Portugal: “Em 2018 terminei as minhas formações e montei um espaço na minha casa onde já massajava algumas pessoas, maioritariamente pessoas ligadas ao ciclismo, BTT e trail”.

HÁ DOIS ANOS NA SAERTEX

João Loureiro está inserido no meio do BTT há já alguns anos… “2020 é o meu sexto ano como federado. Comecei na equipa Mozinho de Penafiel, depois estive dois anos no UCVNF – SONITURISMO BIKEWORLD. Seguiu-se mais um ano no Mozinho e há dois que estou na SAERTEX Portugal/Edaetech”.

E como foi parar ao clube de Viana do Castelo? “Foi através do convite do presidente da equipa o Carlos Rocha. Já nos conhecíamos há algum tempo das andanças das provas, sempre nos demos bem e ele gostava dos meus resultados. Um dia convidou-me e deu-me sempre condições e vários apoios para poder fazer todas as provas”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS