CICLISMO

David Vaz e as incertezas do ciclismo às flores

David Vaz, ciclista de Viana do Castelo Campeão do Minho de BTT XCM, deveria estar a festejar mais uma vitória na Maratona BTT de Melgaço. A vida – ou coronavírus – trocou-lhe as voltas e à falta de corridas, junta-se a tristeza de ver todo o seu trabalho na floricultura atirado ao lixo.

Há um ano, o ciclista vianense foi o grande vencedor da Maratona de BTT de Melgaço de 2019, assumindo na altura o comando do Campeonato do Minho BTT XCM – Discover Melgaço.

David Vaz, que este ano já venceu a Maratona BTT de Ponte da Barca realizada em fevereiro, era o grande favorito à vitória na 5.ª Maratona BTT de Melgaço, primeira prova da Taça de Portugal e, simultaneamente, a segunda do Campeonato do Minho BTT XCM – Discover Melgaço, que se deveria realizar hoje.

“HOJE MELGAÇO DEVIA RECEBER DA FESTA DO XCM EM PORTUGAL”

“Numa situação normal hoje Melgaço devia receber a festa do XCM em Portugal” começou por referir David Vaz, que lembrou que “esta era uma das provas que eu tinha em mente participar”.

David Vaz referiu ainda que “da Maratona de Melgaço só tenho grandes recordações, as duas vezes que se realizou para a Taça de Portugal consegui vencer. É uma organização que merece todo o meu respeito e desejo que se consiga realizar este ano. Pelo bom trabalho que fazem eles merecem”.

“É DIFÍCIL TREINAR SEM QUALQUER OBJETIVO E COM TANTA INCERTEZA”

Com as provas suspensas, devido à situação criada com o coronavírus, e conselhos para não sair de casa, David Vaz tem treinado em casa, mas garante que a motivação não é a mesma.

“Com toda a situação que se vive, pouco tenho treinado e quando treino é em casa para aliviar a cabeça e com a ideia de que este ano dificilmente haverá corridas (o que eu gostava de estar errado)” disse o vianense, que acrescentou que “é difícil treinar sem qualquer objetivo e com tanta incerteza, por muito forte psicologicamente que sejamos!”.

“TODA A PRODUÇÃO DE FLORES QUE ESTÁ PARA SAIR IRÁ PARA O LIXO”

David Vaz não vê só a sua vida no ciclismo ser altera. O ciclista tem uma floricultura e vê com apreensão o futuro…

“Eu neste momento estou a atravessar uma fase difícil, muito difícil, tal como todas as empresas e famílias. Continuo a trabalhar nas estufas, mas certo de que toda a produção de flores que está para sair irá para o lixo nos próximos tempos. Mesmo assim tenho de continuar a tratar as flores para combater as possíveis pragas que possam vir a aparecer e quando tudo normalizar desta pandemia ter flores de ótima qualidade para os meus clientes!”.

“É certo que vão ser tempos muito duros e difíceis, pois o futuro está muito imprevisível e cheio de incertezas, é uma enorme angústia, mas que, acredito, vamos ultrapassar!”, disse ainda o ciclista vianense.

“TODOS A PEDALAR NO MESMO SENTIDO”

Apesar de viver momentos difíceis e de grande incerteza, David Vaz mostra-se confiante no futuro e deixou uma mensagem a todos, em especial aos amantes do ciclismo: “que sejam conscientes e que estejam todos a ‘pedalar’ no mesmo sentido, não adianta fazer planos pois a incerteza é muito! Vamos dia a dia e em breve estaremos juntos”.

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS