CICLISMO

XVI BTT XCO Vila Franca foi um sucesso

“O XVI BTT XCO de Vila Franca foi um sucesso”, foi assim que Hélder Barbosa, dos Amigos do Desporto da ACRVF, começou por se referir à primeira jornada da Taça de Portugal de Cross Country Olímpico (XCO) e prova de classe 1 internacional, que se realizou no domingo em Vila Franca do Lima.

Em competição estiveram 430 atletas em representação de 11 países, atletas que deram o seu melhor na procura dos pontos para o apuramento olímpico ou simplesmente pela Taça de Portugal de BTT XCO.

Hélder Barbosa referiu que “o feedback que recebemos dos atletas, das equipas e de todas as pessoas que aqui estiveram foi muito positivo. Ou seja, este BTT XCO de Vila Franca recebeu nota excelente”.

“Apesar da chuva ter aparecido e até pode ter prejudicado o espetáculo para a assistência, mas os atletas ficaram muito satisfeitos. Também porque a pista é muito boa, o circuito é natural, os obstáculos. Os atletas, todos eles, deram-nos os parabéns pela organização, pelo próprio circuito”.

“REPENSAR O FUTURO”

Com o XVI BTT XCO realizado e o balanço feito, os Amigos do Desporto da ACRVF vão parar para fazer uma reflexão sobre o futuro.

“Este é o sexto consecutivo que organizamos o BTT XCO. No final dos primeiros dois anos decidimos avançar com o projeto para outro nível, enquadramos a prova no projeto olímpico e tornamos o BTT XCO de Vila Franca uma prova internacional, de forma a que viessem a Vila Franca os melhores ciclistas para angariar pontos para os JO. Conseguimos tudo isso. Este ano foi muito difícil levar esta prova em frente por várias questões, muitas delas externas”, disse Hélder Barbosa, que adiantou que “neste momento terminou o ciclo. Vamos parar para repensar o que queremos fazer”.

Aquele responsável referiu que “sem dúvida nenhuma que esta edição foi um sucesso, correu muito bem e vários pessoas fizeram questão de nos dizer isso e de nos incentivar a continuar. Mas o nosso projeto era fazer o ciclo olímpico e fazer desta competição uma prova internacional conseguimos. Agora é hora de repensar o projeto. Ver com quem podemos contar. É verdade que para este evento contamos com o apoio da Câmara Municipal de Viana do Castelo e da Junta de Freguesia, mas é preciso mais”.

PROMESSAS POR CUMPRIR, DESMOTIVAÇÃO E CANSAÇO

Depois há a questão de motivação, do cansaço… “quando começamos este projeto foi prometido um centro de BTT e umas instalações dignas, isto foi há cinco anos. As obras começaram, mas… Isso era essencial para o nível que atingimos. O que ouvimos é que estava tudo fantástico, menos os balneários. Isto desmotiva”.

Hélder Barbosa garante que “a desmotivação é uma razão, mas não é só. Nós somos oito/nove elementos nos Amigos do Desporto. É muito trabalho e estamos desgastados. E se nós estamos cansados e desmotivados como conseguimos motivar outros para o projeto? O que nos vale é que contamos com um staff maravilhoso, que fez de tudo para que nada faltasse nesta prova mesmo debaixo de chuva”.

“Nós vamos parar, repensar para depois decidir o que vamos fazer. Acho que ninguém se deve esquecer que esta prova já não é só de Vila Franca. É de Viana do Castelo, de Portugal. A FPC fez um forcing para continuarmos e não desistirmos do projeto. Estamos orgulhosos do que fizemos e de merecermos o respeito das entidades, mas precisamos de tempo, de descanso e depois logo se vê o que vamos decidir”.

MINHOTOS EM DESTAQUE NO XVI BTT XCO VILA FRANCA

Os ciclistas minhotos estiveram em destaque no XVI BTT XCO Vila Franca, primeira prova da Taça de Portugal de Cross Country Olímpico (XCO), que se disputou no fim de semana.

João Cruz, Raquel Marques e Marco Macedo saíram vencedores das provas Juniores e Masters 40, respetivamente, mas outros atletas conseguiram ficar no Top10 numa prova de classe 1 UCI, o que atraiu vários corredores de nível internacional, entre os quais medalhados em Jogos Olímpicos, em Mundiais e Europeus.

JOÃO CRUZ VENCE EM JUNIORES

João Cruz, vianense que alinha na AXPO / FirstBike Team / Vila do Conde, foi o grande protagonista do dia, ao vencer a prova de Juniores. O ciclista de Viana do Castelo estreia-se este ano no escalão, mas mantém a mesma garra e determinação que o caracterizaram no escalão de Cadetes e acabou por fazer uma corrida segura deixando o seu mais direto adversário a mais de 56s.

Na prova feminina, Joana Santos, da equipa famalicense Tomatubikers/Toyota – Macedo& Macedo terminou na nona posição.

RAQUEL MARQUES E MARCAO MACEDO DOMINAM EM MASTER 40

Raquel Marques, barcelense que alinha na AXPO / FirstBike Team / Vila do Conde, venceu a prova em Master 40. A atleta de Barcelos fez uma corrida muito segura, não permitindo grandes veleidades às suas adversárias. A segunda classificada ficou a mais de três minutos.

Marco Macedo, da equipa vianense da SAERTEX Portuga/Edaetech, destacou-se na prova masculina ao percorrer o trajeto em 1:07:98h, deixando o segundo classificado a 23s.

António Viana, do Bombos S. Sebastião/MonçãoBike, terminou a prova na terceira posição.

Domingos Rufo (SAERTEX Portugal/Edaetech) subiu ao terceiro lugar do pódio em Master 60.

Uma palavra ainda para Luís Grilo (SAERTEX Portugal/Edaetech) que fez exto lugar em Master 30, enquanto João Amaro (Batotas / Ponte de Lima) foi 10.º em Master 50.

JOANA MONTEIRO SÉTIMA

Joana Monteiro, famalicense que alinha na AXPO / FirstBike Team / Vila do Conde, foi a melhor ciclista minhota em Elites Femininas ao terminar na sétima posição, numa prova ganha pela suíça Alessandra Keller.

Marta Branco, vimaranense que alinha no Maiatos, chegou na nona posição. A atleta de Guimarães ocupa assim a quarta posição da Taça de Portugal em Sub-23.

Fotos: BTT XCO Vila Franca, FPC

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao Topo

COVID-19

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença: • Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo; • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%; • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória; • Evitar tocar na cara com as mãos; • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado. Seja responsável, faça a sua parte. Respeite o isolamento social. #JUNTOSVENCEREMOS